EMAE vai alterar modalidade de certame para Usina São Paulo

Reforma da usina é um dos eixos para revitalizar as margens do rio Pinheiros. Trabalhos de despoluição seguem em andamento

 

A Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE) vai reavaliar a modelagem do processo de seleção de empresas para revitalização da Usina São Paulo. A decisão acatou a recomendação do Tribunal de Contas do Estado, que solicitou a suspensão do certame. A companhia entendeu os apontamentos como naturais diante do ineditismo do projeto de permissão de uso e exploração comercial do entorno de uma usina e vai realizar as adequações solicitadas pelo órgão de controle e reforçar o debate com a sociedade civil antes de republicar o edital.

O Programa Novo Rio Pinheiros segue em andamento com foco no projeto de saneamento básico, para coleta e tratamento de esgoto, que vai beneficiar 3,3 milhões de pessoas na Bacia. A reforma e o novo uso da usina são uma das medidas de revitalização das margens, que poderão ser utilizadas para implantação de parques lineares, cafés e píeres com a melhoria da qualidade das águas.

Cronograma do Pinheiros não foi alterado

A agenda do Programa Novo Rio Pinheiros está em andamento. O objetivo é ter um rio integrado à cidade, com águas mais claras e sem cheiro, em 2022. Por ser um projeto essencial de saneamento, as atividades não foram paralisadas durante a quarentena, em razão da pandemia pela COVID-19 (Novo Coronavírus).

A EMAE está realizando o desassoreamento e desaterro para aprofundar o rio e permitir maior vazão. Até o último dia 24 de abril foram retirados 221 mil e 351 mil metros cúbicos de sedimentos, respectivamente. Somados, os materiais correspondem a mais de 34,5 mil caminhões basculantes.

A SABESP também manteve os serviços de saneamento. Dos 16 pacotes de contratação para obras de esgotamento sanitário nas sub-bacias, seis estão com serviços em andamento. O restante está com as licitações prontas e a assinatura deve ocorrer nas próximas semanas.